segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Serei eu um NS?

Tudo que se acabou de escrever são apenas noções gerais do que primordialmente compõe nossa Cosmovisão (em alemão “Weltanschauung”), ou seja, o complexo ideológico Nacional-Socialista. Não nos é permitido aprofundarmo-nos mais no assunto aqui, por questões de praticidade, razão pela qual recomendamos a leitura de nossas obras mais importantes e também o aprendizado pessoal junto a outros camaradas.

Concordar com essas linhas gerais é apenas um princípio. A concordância é para os simpatizantes, os aderentes. Para os Nacional-Socialis-tas de fé, os ativistas verdadeiros, admite-se apenas o profundo conhecimento, a ação e a militância. Não podemos chamar de “camaradas” a pessoas que não conheçam ao menos a idéia primigênia expressa na obra “Minha Luta” de Adolf Hitler, que é o livro básico do Nacional-Socialista. Mais do que ler a obra, é importante compreendê-la e aceitá-la como orientação de vida e princípio de atividade.

O que escrevemos é o suficiente para o leitor simpatizante chegar a uma nova questão: “se é isto o Nacional-Socialismo, quero ser um Nacional-Socialista?”. Muitos intimamente já o são, pois crêem nas mesmas coisas talvez se decepcionem em saber que nosso Ideal não se funda no ódio ou na violência ao diferente, senão no amor ao igual e em sua defesa; também não pretende a destruição, e sim a construção de um novo e melhor mundo para nossa espécie; não age por meio da opressão ao povo, mas por meio de lideranças natas; não desafia o ordenamento cósmico, muito ao contrário, respeita as leis da Natureza e as usa como veículo para a sobrevivência e perpetuação da espécie.

Neste ponto se distingue o verdadeiro camarada do falso. O verdadeiro vê o mundo conforme nossa Cosmovisão e age conforme nossos princípios, procurando sempre o bem comum da sua espécie. O falso é caricato e, apesar de se revestir de nossa simbologia e aparência, não possui a essência, a alma Nacional-Socialista. Existem muitas formas de ser um falso Nacional-Socialista, mas APENAS UMA forma de ser um verdadeiro camarada, qual seja, seguindo ortodoxamente nossos preceitos no quanto possam ser adaptados aos nossos tempos (pois, como a Natureza, o Nacional-Socialismo evolui e se adapta). Vamos exemplificar alguns casos de falsos Nacional-Socialistas, coletados pela experiência prática. Tratam-se de pessoas com comportamento imprestável para nossa Ideologia. Se o leitor acaso se sentir encaixado em algum desses exemplos, su-gerimos que tente controlar seus maus ímpetos e melhorar sua conduta ou, se achar melhor, simplesmente se afaste da nossa comunidade.

1. Muitas pessoas dizem crer em nossas idéias mas não demonstram isto em seu comportamento diário. Parecem ter vergonha ou medo de se portarem como Nacional-Socialistas. Vergonha e covardia são incompatíveis com nosso Ideal. Uma pessoa não precisa declarar na rua: “sou um Nacional-Socialista”, nem precisa usar farda para identificação. Basta SER um Nacional-Socialista e AGIR como tal. Esses falsos “camaradas” pretendem manter o Nacional-Socialismo no reino intelectual, sem produzir efeitos no mundo material, sofrem da mesma degeneração artificialista que tanto condenamos. Dizem crer em uma coisa, mas agem de forma diversa. A idéia só tem serventia se é o princípio de uma ação.

2. Existem pessoas que se crêem mais conhecedoras das coisas do mundo do que os outros camaradas, até mesmo desprezando-os como se fossem reles “massa de manobra”. Isto apenas porque leram muitos livros ou conheceram outros camaradas importantes. Achando-se senhores da verdade, auto-proclamam-se líderes e pretendem ditar os meios de atuação aos demais camaradas, dando uma falsa idéia de ação. Toda produção intelectual favorável ao Nacional-Socialismo deve ser apreciada, desde que provenha de ativistas verdadeiros e sinceros. Devem ser desprezadas as manifestações dos “nazistas-de-quarto”, ou seja, daqueles que são especialistas em teoria e nunca demonstraram a prática de nosso Ideário. Não passam de burocratas covardes que, através dos camaradas, pretendem atingir objetivos que não têm coragem de buscar por si próprios, enquanto mantêm, perante a sociedade, suas aparências de pessoas “normais” (ou liberais). O “espírito Nacional-Socialista” dessas pessoas nunca ultrapassa as fronteiras das suas próprias casas. Há também os “revolucionários-de-mesa-de-bar”, aqueles que, quando se encontram com os camaradas, no bar e em churrascos, sentam-se e discutem sobre tudo que envolve nossa Ideologia. Cada um tem a fórmula para todos os problemas do mundo. Ao se despedirem, cada um volta para sua vida e NADA fazem de concreto para que suas idéias surtam efeito no reino dos fatos. Em nossa Cosmovisão, a teoria não é nada, a ação é tudo. 



3. Outras pessoas ostentam uma aparência de Nacional-Socialistas e, aos olhos dos camaradas, até mesmo agem como se o fossem. Porém, escondem na alma algum vício terrível que não querem manifestar perante os outros. Neste caso, a atu ação Nacional-Socialista é uma forma de compensação, de aliviar a consciência e pagar pelos “desvios” que cometem fora da comunidade. Temos exemplos de pessoas que se dizem Nacional-Socialistas, até mesmo escrevem livros e militam, mas que são homossexuais. Não poderia existir pior degeneração. A homossexualidade é um desvio irrecuperável e não pode ser perdoada. A “empolgação ideológica” de um homossexual nunca pode ser tida como sincera pois ele em si já contraria a própria essência de nossa Ideologia. Há também casos ridículos de camaradas que procuram passar uma imagem radical para os demais mas que, sob embalos injustificáveis (álcool, incentivo de “amigos”, etc.), são dados a relações sexuais com pessoas de raça diversa. Alegam que “não vão procriar, apenas se aproveitar”. Isto é abominável. O respeito à Raça deve ser algo intrínseco à própria alma do Nacional-Socialista. Devemos manter nossos corpos purificados, tanto quanto o espírito. Estes são exemplos claros de TRAIÇÃO.

4. Algumas pessoas têm algum conhecimento ideológico e ostentam a aparência, mas são pessimistas e egoístas. Não procuram compartilhar seus progressos com outros camaradas. Não transmitem seus conhecimentos para outras pessoas. Para esta espécie de gente, basta ser apenas ele um “nazi”, e não procura criar uma comunidade para a propagação do Ideal, porque realmente acredita que já perdemos esta guerra e que o mundo está definitivamente condenado. De nada adianta conhecer a verdade, se ela não pode ser revelada.



5. Certas pessoas têm algum conhecimento ideológico e ostentam a aparência, mas não têm o espírito de camaradagem e a coragem necessários. Se um camarada está com problemas, devemos ajudá-lo, assim como gostaríamos de ser ajudados nas horas difíceis. Permitir que um camarada passe por privações quando se tem meios de ajudá-lo demonstra falta de espírito de união e camaradagem, puro egoísmo e crueldade. Pode se dar ainda a falta de socorro a um camarada por escassez de coragem. Um camarada em apuros deve ser socorrido, nem que isto custe a própria vida. O espírito heróico do Nacional-Socialismo transmite a idéia de que a vida nada vale, se não for guiada pelos preceitos da Honra. Não nos serve um covarde vivo. A integridade física e a vida do outro sempre vale mais que as nossas próprias, desde que este outro seja um verdadeiro Nacional-Socialista. Ajudar outras pessoas que não sigam nossos objetivos e assumir as conseqüências do ato é uma opção consciente de cada um, mas é inconcebível abandonar um camarada quando ele mais precisa. As pessoas que assim agem são vulgarmente denominadas em nosso meio como “nazistas-de-vitrine”, ou seja, servem apenas para ver, não para usar. Melhor viver um dia como um leão, do que viver uma centena de anos como uma ovelha.

6. Coragem não é o mesmo que irresponsabilidade ou imprudência. Se a integridade física de duas pessoas pode ser resguardada, nenhuma é prescindível, portanto o camarada não precisa se sacrificar desnecessariamente. Como já dito, TODOS são igualmente importantes em nossa comunidade. É comum acontecerem casos onde camaradas, tentando mostrar-se destemidos e corajosos, acabam arranjando problemas para os outros. Se é possível evitar-se problemas, não há porque prosseguir numa conduta condenável. Se você se envolver em problemas e tiver ao seu lado um camarada sincero, tenha certeza de que está “comprando encrencas” para ambos, pois ele nunca o abandonará. Antes de cometer um ato irresponsável ou imprudente, pense em seus camaradas e nas conseqüências, pense se há verdadeira necessidade de agir desta ou daquela forma, ou se está imperando apenas a vontade do seu EGO ao invés da razão. Meter-se a herói, apenas quando a sobrevivência e a camaradagem justificam. Se você sabe que vai ter problemas, mas isto é necessário e ideologicamente justificável, todos o apoiarão. Melhor a morte que a desonra.


7. A violência só pela violência também não é indício de coragem. A violência é uma reação a um perigo real ou iminente. Alguns camaradas partem para a ultra-violência por desilusão e amargura contra o mundo. Lutam pela via correta e não vêem resultados, e isto propicia o acúmulo de mágoa e ódio. Em determinado momento, não enxergam mais a beleza de nosso Ideal, mas apenas os defeitos do mundo. Outros, porém, empregam a violência por pura crueldade, o que é o indício de uma psicopatia latente. Agem como “nazistas-de-filme” e servem para que nossos adversários justifiquem a condenação e repressão contra nosso Ideal. Apenas quando você ou algum camarada está para ser fisicamente atacado, a violência é necessária. Se a concentração ou movimentação de adversários presumidamente pode ameaçar seus principais valores, a violência chega a ser justificável.

8. Alguns são comodistas ao extremo. Quando se lhes lança uma oportunidade de agir em prol do Ideal, preferem encontrar os defeitos do projeto do que enaltecer as benesses. Esse tipo de gente está sempre colocando obstáculos entre si e o objetivo e essa dificuldade, na maioria das vezes psicológica, é a justificativa para sua acomodação. Nada nos é impossível. Os obstáculos, como disse nosso Líder, devem ser superados, não contornados. Que dizer daqueles que têm ócio até mesmo de contornar os obstáculos?... O ócio, a preguiça, a acomodação, são degenerações. Apenas o trabalho duro é o caminho do Ariano.


9. Desde os pequenos até os maiores erros devem ser observados pelos camaradas mais diligentes. Em grande parte das vezes, felizmente, um erro pode ser reparado satisfatoriamente. Ë da boa ética que o erro seja reparado ou compensado pela própria pessoa que o cometeu, da maneira que lhe seja possível, seja por espontânea vontade ou até mesmo por pressão dos demais camaradas. Um problema surge quando há entre nós pessoas que não assumem a culpa pelos seus erros, seja por medo de represálias ou para não perder a confiança dos demais camaradas. Não reconhecer o próprio erro é um sério problema ligado à honra de uma pessoa e não reparar o erro denota covardia perante os fatos. Até mesmo o mwelhor camarada às vezes erra, pois é apenas um ser humano, mas essa pessoa mostra sua dignidade ao assumir e reparar o erro. Pessoas que jogam sua culpa sobre os ombros dos outros, especialmente quando esses outros não estão presentes para se defenderem, não servem para o nosso Ideal. A mentira é inadmissível. Outros ainda preferem culpar a bebida pelos seus erros. Bom, os efeitos do álcool etílico são universalmente conhecidos e ninguém é obrigado a beber. Mas como já dito, se a pessoa erra, sob influência do álcool, “amigos” ou qualquer outra, mas reconhece e repara ou compensa seu erro, ocorre um mal menor. O problema, neste caso, é quando a justificativa pelo “álcool” se torna crônica, ou seja, a pessoa erra com constância, sempre atribuindo a culpa ao álcool. Este já é um problema relacionado à má conduta e merece ser repreendido pelos demais camaradas.


10. Há aqueles que misturam seus problemas pessoais com os problemas do grupo ou comunidade na qual milita. Ou seja, sua antipatia por algum outro camarada o leva a procurar sempre prejudicá-lo e, nesta guerra pessoal, quem sai sempre perdendo é o Ideal. Isto acontece freqüentemente devido a ciúmes envolvendo mulheres, mas também ocorre com freqüência a antipatia gratuita. É importante para os demais camaradas sempre se esforçarem para que boatos não se propaguem; uma boa forma de fazê-lo é, sempre que alguém fala do ausente, fazê-lo repetir suas afirmações quando a vítima de seus comentários estiver presente - e mais, sempre procurar a versão da vítima dos comentários, preferencialmente frente a quem realizou o comentário. Se alguém tem problemas pessoais com relação a outro camarada, isso deve ser resolvido fora do grupo de militância, ou seja, que encontrem qualquer meio de resolverem suas diferenças, sem intervenção dos camaradas e, dentro do grupo, que mantenham a ética, comportem-se como adultos e intercolaborem sempre que seja necessário. O Ideal deve estar sempre acima dos problemas pessoais. A dor pessoal desaparece perante a dor da Nação.

11. A mulher é parte importante em nosso Ideário e merece todo o nosso respeito, pois suas funções, ainda que diferentes, têm equivalente valor ao das funções masculinas dentro do Nacional- Socialismo. Por isso é pesaroso verificar que, ainda que existam grandes exemplos de atuação feminina no Nacional-Socialismo histórico, as mulheres constituem uma ínfima parcela de nosso movimento e parecem muito pouco preocupadas com nossa Cosmovisão. Atualmente a passagem de mulheres dentro de nosso movimento costu-ma ser efêmera e mero reflexo do ativismo de seus companheiros. É porque a mulher, para conquistar o afeto de algum de nossos camaradas, pretende lhe provar ser ela também uma Nacional-Socialista, procura se envolver com os assuntos apreciados pelo camarada e, no final das contas, acaba ela mesmo se convencendo de que é uma camarada - fará tudo que os ativistas fazem e, por vezes, pode até se apresentar mais radical do que muitos de nós. Se esse relacionamento conjugal perdurar, ela será sem-pre uma Nacional-Socialista; se naufragar, ela provavelmente abandonará nosso movimento e até mesmo as amizades que entre nós firmou. Estranhamente, parece ser da natureza da mulher seguir a Ideologia do companheiro, mas ao mesmo tempo, quando a “magia” do romance acaba, nada resta desse Ideal dentro da alma feminina. Talvez até ajam da mesma forma junto a outras ideologias. riste constatar que a maioria das mulheres se afirma Nacional-Socialista ape-nas enquanto um sentimento a prende a alguém dessa Ideologia, de forma que nunca podemos nos empolgar demais com a militância feminina - salvo louváveis mas esparsos casos, que gostaríamos que fossem a regra, não a exceção.


12. Há o caso dos megalômanos, aqueles cuja vaidade supera os princípios do Ideal. Eles não procuram agir sem interesses próprios, mas para serem admirados, respeitados ou temidos no meio em que vivem. Desprezam pequenas missões e aumentam mentirosamente seus próprios feitos. A vaidade egocêntrica é um vício que deve ser extirpado. Um “camarada” que pretende se salientar dentro ou fora do grupo subindo em cima de outro camarada, não merece nossa consideração. É o exemplo de pessoas que tentam mostrar maior conhecimento ou coragem ridicularizando outros camaradas. Existem formas e formas de se ensinar ou incentivar - temos sempre que procurar a forma que denote maior respeito ao camarada, que é igual a nós. Alguns preferem não se esforçar e desprezam um trabalho pequeno. O orgulho vaidoso os obriga a procurar desafios maiores que suas capacidade reais. Ora, é sempre melhor fazer pouco do que não fazer nada, pois o ótimo é inimigo do bom. É melhor o resultado menor e bem aprimorado, do que o grande e cheio de defeitos, assim como vale mais uma pequena casa segura, do que um palácio construído sobre areia, prestes a desabar.

13. Outros ainda pretendem “modernizar” o Nacional-Socialismo, procurando criar uma imagem, um produto que possa ser “vendido” para a sociedade liberal. A aceitação de nosso Ideal nunca pode passar pelo desprezo a nossas características intrínsecas. Se renegamos alguns valores, o produto final não é mais o Nacional-Socialismo, senão algo diferente. Não existe o Nacional-Socialismo sem o conceito de racialismo, por exemplo, assim como exigimos de todos os ativistas os sentidos de socialismo, patriotismo e camaradagem. Isto ocorre bastante quando se mistura princípios do Nacional-Socialismo com as tendências da Nova Era (“New Age”). Estas tendências nada mais são do que uma tentativa de se dissolver todas as culturas, ideologias e religiões existentes num único caldeirão. Dá-se a aparência de haver espaço para todas as ideologias e religiões, mas na verdade não há espaço para nenhuma, pois ao serem aceitas pela Nova Era, essas tendências perdem suas características verdadeiras. Por isso, é importante não confundir Religiosidade e Mística, características do Nacional-Socialismo, com esoterismo ou ocultismo. Consideramos o secreto como algo proibido, que não tem coragem ou legitimidade para mostrar sua verdadeira cara perante todos. Nossos sentimentos se verificam claramente, em nossos atos, em nossa própria forma de viver.


Estes são alguns exemplos mais comuns de condutas ímprobas, entre vários outros que poderiam ser citados. Alguns vícios de comportamento são insanáveis, outros podem ser eliminados com o esforço pessoal do camarada que deles está acometido. Tudo depende apenas da própria pessoa e de sua força de vontade. O máximo que podemos fazer para ajudar é aconselhar, incentivar e dar exemplo. Porém, quando um “camarada”, por mais estimado que seja, oferece risco à unidade do grupo, o único caminho é repeli-lo de nosso meio. 


fonte:http://www.nuevorden.net/portugues/valhalla88_4.html

2 comentários:

  1. Muito bom este texto, de grande utilidade para os que ainda não aprenderam a separar termos e moderar ações!

    Seria ótimo se 1/3 dos ditos NSs, WPs seguissem o ideal no seu total, em teoria e prática, muitos problemas seriam evitados e muitos bons resultados seriam alcançados!

    " Porém, quando um “camarada”, por mais estimado que seja, oferece risco à unidade do grupo, o único caminho é repeli-lo de nosso meio. "

    Salve a Vitória!

    88!

    ResponderExcluir
  2. SER N.S NAS SUAS ATITUDES É O QUE NOS MOVE, TEMOS QUE SEGUIR O MAIOR EXEMPLO QUE O FUHRER ADOLF HITLER DEIXOU: HONRA, LEALDADE E CORAGEM. SEM NUNCA ESMORECER, E SABER QUE SER N.S É DE TOTAL RESPONSABILIDADE E MANTER FIRME SEU ORGULHO, AS REGRAS ESTÃO CLARAS E PERFEITAS, E É PARA SER SEGUIDAS POIS ASSIM LOGO O PODER NO QUAL ALMEJAMOS CHEGARÁ. 14/88

    ResponderExcluir